Ripsalis (Rhipsalis): Tipos e Como Cuidar

Rhipsalis baccifera em tronco de árvore
Rhipsalis baccifera

Um dos cactos mais incomuns e graciosos em toda a família Cactaceae são os Rhipsalis. Eles têm um formato muito diferente do que estamos acostumados a imaginar quando se fala em cactos. Os Ripsalis são plantas tropicais e que com paciência e os cuidados certos, podem viver por muitos anos e produzir lindas flores.

Reunimos aqui um pequeno grupo das espécies mais comuns de Ripsalis nativas do Brasil. Todos eles têm um cultivo considerado simples, sendo que a maioria prefere a meia-sombra.

Sobre o Cacto Ripsalis

Ripsalis é o nome aportuguesado para o nome científico do cacto Rhipsalis. Trata-se do maior gênero dentro da tribo Rhipsalideae (Cactaceae) sendo composta por cerca de 40 espécies, das quais 36 delas ocorrem no Brasil.

Além dessas, estão classificadas na mesma tribo Rhipsalideae por exemplo, a Flor-de-maio (Schlumbergera truncata) da qual já falamos anteriormente aqui no site.

A maior parte dos cactos Ripsalis, que estão no nosso território, são encontrados e estão restritos à Mata Atlântica, no entanto, ocorrem espécies também na Amazônia, Cerrado, Caatinga e Pantanal.

De todas as espécies de Rhipsalis, todas elas têm origem na América Central e do Sul, exceto o cacto Rhipsalis baccifera (foto do topo do artigo) que ocorre também na África Ocidental e Sri Lanka.

Na natureza, os Ripsalis crescem como a maioria das orquídeas, ou seja, de forma epífita. Sendo assim, os cactos usam suas raízes para se prenderem em galhos e fendas de outras plantas ou ainda sobre as rochas.

Eles retiram seus nutrientes do acúmulo de material orgânico e insetos em decomposição que ficam presos entre suas raízes e a planta ou a rocha.

Dessa forma, além de estarem protegidos da incidência direta dos raios solares eles também conseguem alimento mais facilmente.

Os Rhipsalis produzem flores de cores claras, geralmente brancas e amareladas, e mais raramente rosadas. Os frutos são pequenos e em formato globular de cores variadas.

Tipos de Rhipsalis

Os Rhipsalis têm raízes aéreas e os brotos são verdes e amplamente ramificados. Em algumas espécies as hastes podem ser bem longas, como no caso do Rhipsalis trigona de até 2 metros de comprimento. Ou com hastes curtas, como no Rhipsalis pilocarpa, que atinge até 40 cm de comprimento. E assim como a maioria, são também conhecidos popularmente como Cacto-macarrão. Apenas o R. pilocarpa recebe um adjetivo a mais: Cacto-macarrão-peludo.

Rhipsalis trigona em vaso preto suspenso em jardim e R. pilocarpa em zoom

Embora a maioria das espécies tenham hastes arredondadas e cilíndricas, algumas apresentam hastes planas e achatadas ou angulares.

Ao contrário da maioria dos cactos, ele não apresenta espinhos, apenas eventualmente pequenas cerdas.

Aliás, seu crescimento favorece o cultivo em vasos suspensos, o que realça e revela toda sua beleza.

Por causa da ausência de folhas no Ripsalis, perceba que os cactos com hastes achatadas são o mais próximo das folhas tradicionais que conhecemos. No entanto, cada extremidade de um broto antigo gera um novo segmento.

Veja, por exemplo, duas espécies com hastes achatadas, o Cacto-renda (Rhipsalis crispata) e o Cacto-fita-serreado (Rhipsalis goebeliana) na imagem a seguir.

Folhas de Ripsalis de duas espécies, crispata e goebeliana

Os Ripsalis com formato de hastes arredondadas são chamados popularmente de Cacto-macarrão, o que pode causar certa confusão. Sendo assim, necessária a identificação através de seus nomes científicos.

Além da foto principal no topo do artigo, que corresponde ao Rhipsalis baccifera, veja na imagem a seguir três espécies que também são conhecidas pelo nome popular de Cacto-Macarrão. São elas: Rhipsalis dissimilis, R. clavata e R. ewaldiana.

Ripsalis de três espécies, dissimilis, clavata e ewaldiana

Como Cuidar do Cacto Ripsalis

O cultivo pode variar um pouco entre as várias espécies, sobretudo se considerarmos a origem geográfica de cada uma.

Luz e Temperatura

Os cactos Rhipsalis, ao contrário da maioria dos cactos, crescem em florestas tropicais e subtropicais, onde a luz solar é filtrada, ou seja, não incide diretamente sobre eles. Sendo assim, em casa, o melhor é colocá-los em locais com meia-sombra ou muito bem iluminados.

O cultivo em locais de sombra pode retardar o crescimento da planta. Por outro lado, o excesso de sol deixa a planta com aspecto descolorido.

Elas se desenvolvem melhor em temperaturas entre 16° e 27°C, e não são resistentes a geadas ou locais onde a temperatura fique abaixo de 5°C. Além disso, é bom evitar correntes de ar.

Rega e Substrato

Procure um substrato, solto, leve, rico em material orgânico e que seja bem drenado. Lembre-se que são plantas epífitas e precisam de oxigênio nas raízes. Sendo assim, junte elementos como por exemplo, casca de pinus, fibra de coco e pedaços de carvão vegetal para que as raízes não fiquem sufocadas.

As regas devem ser muito cuidadosas, pois embora eles gostem de umidade, o excesso de água nas raízes pode debilitar a planta.

Comece com uma rega a cada semana, mas de acordo com o clima da sua região isso pode ser ajustado. Por exemplo, no caso de climas mais secos e quentes a planta precisa de regas mais frequentes.

Embora o Ripsalis suporte pequenos períodos de seca, não se deve abusar. O esquecimento ocasional de uma rega ou outra não vai prejudicar seu cacto. Você vai perceber que a planta fica com um aspecto murcho na falta de água.

Adubo

Para que seu cacto se desenvolva saudável, bonito e com flores é necessário fazer uma adubação regular.

Comece com a metade da dosagem indicada na embalagem do produtor, pois o excesso de fertilização pode causar problemas como caules marrons e queimados. Além também da interrupção do crescimento da planta, uma vez que muitos nutrientes disponíveis no solo provocam o desequilíbrio do sistema, danos por toxidez e estresse nas raízes.

Como Propagar o Cacto Ripsalis

A propagação do Ripsalis é muito simples e fácil de fazer. Basta pagar uma parte da haste da sua planta e deixá-la secar por uma semana em local protegido da luz solar. Após esse período, coloque as estacas em solo fresco a apenas alguns centímetros de profundidade.

Como eles ainda não tem raízes nessa fase, consomem pouquíssima água.  Desse modo, tenha cuidado e faça regas controladas.

É claro que você pode ter novas plantas a partir de sementes, mas esse é um processo bem mais demorado.

Pragas e Doenças no Cacto Ripsalis

Os Ripsalis geralmente não têm problemas com doenças ou pragas, mas as cochonilhas sempre podem atacar. Como são plantas muito ramificadas, faça sempre uma boa inspeção à procura de pontinhos brancos, pois é bem mais simples acabar com as cochonilhas no início.

Nesse caso, utilize um produto específico para tratar a cochonilha, ou então receitas caseiras. O importante é ser persistente e fazer a aplicação semanalmente até que não exista mais traços da cochonilha.

Embora seja mais raro, os ácaros podem também podem ocorrer.

Outras Espécies de Rhipsalis

  • Cacto-triangulado (Rhipsalis agudoensis): é extremamente rústico e muito fácil de cultivar, se reproduzindo em profusão, podendo até mesmo se tornar infestante quando cultivado em jardins. Nativo do Rio Grande do Sul, seu caule é anguloso com margens dentadas e geralmente sem espinhos.
  • Cacto-escova-de garrafa (Rhipsalis mesembryanthemoides): essa espécie tem ramos cilíndricos cobertos por pequenos segmentos curtos e grossos que lembram o alecrim. Nativo do estado do Rio de Janeiro, ele pode ser cultivado tanto em sol pleno quanto em ambientes internos e é bastante resistente à seca.
  • Fita-rendada (Rhipsalis russellii): cacto com hastes em formato triangular e pendentes que podem atingir até 2 metros de comprimento. Nativo do Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica, ele é capaz de sobreviver com pouca água em pleno sol como também à meia-sombra.
  • Cacto-macarrão (Rhipsalis shaferi): tem hastes firmes, cilíndricas e é muito parecido como R.baccifera. Nativo da Mata Atlântica dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, ele gosta de regas generosas para se desenvolver bem. No entanto, o substrato deve estar completamente seco entre uma rega e outra.
  • Cacto (Rhipsalis pulchra): hastes cilíndricas lisas com ramificação abundante. Nativo da Região Sudeste, exceto o Espírito Santo, pode ser cultivado em ambientes internos bem iluminados ou em jardins à meia-sombra.

Gostou de saber um pouco mais sobre o cacto Ripsalis? Compartilhe com alguém que você conhece e que também gosta de cactos. Logo a seguir, deixe suas estrelinhas.

5/5 - (10 votes)

Deixe um comentário